Famoso geofísico contraria o evolucionismo: “Há evidências de um design inteligente”

Famoso geofísico contraria o evolucionismo:
Reprodução: Google

Considerado um dos principais nomes da ciência mundial, Stephen C. Meyer, geofísico e autor do best-seller “A Dúvida de Darwin: A Origem Explosiva da Vida Animal e o Caso do Design Inteligente”, obra que desafia os pressupostos do evolucionismo, está agora defendendo uma perspectiva que desafia alguns dos seus colegas.

Apesar de não ser cristão, após anos de estudo científico, Meyer chegou à conclusão de que simplesmente deve haver um Criador por trás da nossa existência.

Além disso, ao contrário de muitos dentro da sua disciplina, Meyer acredita que o estudo científico especializado nas origens do universo pode concluir uma série de afirmações que estão em consonância com os princípios centrais das crenças teístas.

Em uma ampla entrevista no programa Ben Shapiro Show, Meyer também criticou a teoria evolucionista de Darwin por ser incapaz de responder à maior questão de todas – como a vida realmente começou?

Design Inteligente vs. Criacionismo

“O criacionismo é uma interpretação da autoridade religiosa, enquanto o design inteligente é uma inferência de evidências biológicas e físicas, cosmológicas”, observou Meyer sobre as diferenças entre os dois sistemas de crenças. “Um começa a partir de dados do mundo natural, um começa a partir das Escrituras.”

Curiosamente, apesar do biólogo defensor do evolucionismo Charles Darwin ser muitas vezes proclamado como o inimigo daqueles que acreditam em um Deus criador, para Meyer, Darwin modelou o que significava investigar as grandes questões da vida com rigor e integridade científica. Apesar de seguir o método científico de Darwin, no entanto, Meyer chegou a conclusões muito diferentes.

Darwin tinha um “princípio de raciocínio” que ele usou para ajudá-lo a entender causa e efeito em algumas das maiores questões da vida.

“É possível formular um caso de design inteligente de maneira estritamente científica”, disse Meyer. “Quando pensamos sobre a origem da informação, ela sempre surge de uma fonte inteligente.”

Seja uma “inscrição hieroglífica, um parágrafo em um livro ou informações incorporadas em um sinal de rádio, sempre que você encontrar informações, você as localiza de volta à sua fonte, você sempre chega a uma mente e não a um processo”, explicou Meyer.

Ao estudar a questão, Meyer, que escreveu uma tese de Ph.D. sobre o “problema da origem da vida” na Universidade de Cambridge, disse que, usando o método darwiniano de raciocínio, ele “chegou a uma conclusão diferente, não darwiniana – de que há evidências de um design inteligente”.

O design inteligente pode ser comprovado erradamente?

Para muitos cristãos e críticos do evolucionismo, a questão da criação é ampla. De fato, embora haja uma divisão sobre a mecânica de como nosso mundo surgiu, todos os crentes afirmam que Deus é, de alguma forma, a força criativa por trás do mundo em que vivemos agora.

Com isso em mente, há alguma chance dessa concepção ser refutada?

“Você teria que encontrar um processo indireto que fosse capaz de produzir informações além de um limite que definimos matematicamente”, explicou Meyer, acrescentando que isso implicaria em informações surgindo “por acaso, com base nos recursos prováveis ​​do universo”.

Isso, no entanto, é improvável que aconteça, porque o design inteligente postula que apenas “a inteligência é capaz de gerar a quantidade de informação necessária para esses grandes saltos na complexidade biológica da história da vida.”

De fato, para os cristãos, essa inteligência ou “mente” seria igualada a um ser infinito – a saber, Deus, segundo a CBN News.