Igrejas cristãs foram atacadas e até incendiadas em protestos “antirraciais” nos EUA

O interior da igreja San Gabriel foi danificado após um incêndio na Califórnia. (Foto: AP/Marcio Jose Sanchez)
O interior da igreja San Gabriel foi danificado após um incêndio na Califórnia. (Foto: AP/Marcio Jose Sanchez)

Nos Estados Unidos, em meio aos protestos contra o racismo surgiram vários impactos positivos por parte de membros de igrejas cristãs, trazendo consolo e esperança a muitas pessoas.

Por outro lado, alguns locais como na Flórida, Los Angeles e San Diego tiveram registros de igrejas incendiadas por ativistas. A polícia está investigando se esses crimes têm relação com os protestos, após a morte de George Floyd.

Steven Anthony Shields foi um dos jovens acusados de incendiar uma igreja católica na Flórida. O fogo também atingiu uma imagem de Maria, venerada pelos católicos. Ele disse que não tinha uma boa relação com a instituição, mas terminou sendo preso pela tentativa de assassinato, roubo, incêndio criminoso e fuga.

A igreja de San Gabriel em Los Angeles também foi alvo de incêndio, onde seu teto foi todo danificado, junto com o interior do prédio. Ela estava passando por reforma para o seu 250° aniversário.

As investigações ainda não estão concluídas, mas a destruição de monumentos a
Junipero Serra, que os ativistas vêem como opressor, pode ter a ver com o ataque.

Já em San Diego, a Calvary Baptist, reconhecida por ser uma igreja historicamente negra, mas que ultimamente se tornou uma comunidade de fé “multicultural”, segundo seu site, também sofreu ataques no domingo.

O padre John Currie disse que ficou chocado ao saber que a estátua de Maria tinha sido quebrada no sábado ànoite. Muitos ativistas protestam contra as imagens “brancas” nas igrejas católicas, atacando os símbolos religiosos de forma criminosa.

O presidente Donald Trump disse que tomará medidas cabíveis contra os infratores que desrespeitam os símbolos e monumentos do país, sob pena de até 10 anos de prisão.

Atacar de forma criminosa a fé alheia não representa indignação ou protesto, mas sim o retrato inaceitável da intolerância de alguém corrompido pelo ódio e baseado em interesses pessoais ou de grupos. Com informações da CPAD News.