A importância da apologética cristã na geração onde tudo é “relativo”

A importância da apologética cristã na geração onde tudo é
Reprodução: Google

À apologética cristã é um ramo da teologia que trata sobre a defesa da fé, mas que ainda parece algo muito estranho para grande parte dos cristãos, salvo quem se dedica ao estudo teológico, uma vez que está mais familiarizado com a disciplina.

Entretanto, considerando o atual contexto social, será que não é o momento de considerarmos à apologética como uma disciplina fundamental até mesmo para o ensino na Escola Bíblica Dominical?

Ora, existe na Bíblia uma passagem muito utilizada pelos apologistas cristãos, localizada em Pedro, 3: 15-16, a qual podemos citar como um dos fundamentos da nossa análise, observe:

“Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós, tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, fiquem confundidos os que blasfemam do vosso bom porte em Cristo.”

O trecho é claro ao falar da necessidade que o cristão deve ter de estar preparado para responder a qualquer questionamento sobre “a razão da esperança que há em vós”, o que se refere, nesta passagem, da fé em Jesus Cristo.

Ter uma “boa consciência” é o mesmo que conhecimento, ou “ciência“, e isso é uma condição necessária para lidar com os que “falam mal de vós”, obviamente, além da comunhão espiritual a Deus.

Mitos sobre apologética

Diante do exposto acima, por qual motivo nossas igrejas ainda não ensinam apologética cristã, por exemplo, em cursos de capacitação internos ou mesmo na Escola Bíblica Dominical?

Podemos destacar algumas possibilidades, como:

a) Apologética é coisa para teólogos

Isso é mito! A ideia de que apenas teólogos ou estudiosos da religião devem ter o conhecimento de assuntos da apologética cristã é o que fez com que a sociedade cultivasse, ao longo das últimas décadas, o preconceito contra a relação entre fé e ciência.

Como vimos na passagem de 1 Pedro 3:15-16, a Bíblia não segmenta a necessidade de preparo. Ou seja, o texto não é dirigido para “alguns”, mas para todos! Todo cristão tem, por essência, a necessidade de estar preparado, e não apenas os teólogos.

É verdade que o teólogo estará mais preparado, dado à natureza do seu estudo específico, mas isso não significa que os demais irmãos na fé devam negligenciar o estudo da apologética cristã.

b) Ciência “não é de Deus”

Por mais incrível que pareça, ainda há pessoas no meio cristão que têm aversão à ciência, como se o conhecimento científico fosse uma ameaça à fé, o que não é verdade, pois é justamente o contrário!

Quanto mais conhecimento científico adquirimos, mais observamos a perfeição da criação de Deus. Milhares de cientistas renomados no mundo inteiro reconhecem e defendem isso.

A ciência nos permite enxergar pelas lentes da natureza o que a Bíblia Sagrada nos ensina pelos olhos da fé e da história, de modo que às duas perspectivas entram em harmonia e não em conflito.

c) Falta de pessoas capacitadas

Esse é um ponto comum, pois realmente em muitas igrejas faltam pessoas capacitadas para ensinar apologética cristã. Na maioria dos casos, nossos irmãos na fé associaram apologética apenas ao assunto de seitas e heresias.

Em parte, conhecer e saber lidar com seitas e heresias faz parte da apologética, mas ela não é só isso. Questões de ordem moral, filosófica e científicas mais abrangentes e complexas compõem o conjunto de temas que fazem parte dessa disciplina.

Questões como a origem do mal e do bem, a confiabilidade da Bíblia, a ressurreição de Jesus, o absolutismo da Verdade, a transcendência humana e a natureza da criação/universo são apenas alguns exemplos de pautas que fazem parte da apologética e que estão além da religião.

Defesa da fé na igreja?

Por fim, uma vez entendido a importância da apologética cristã para os cristãos, como e onde ensinar essa disciplina? Ora, o templo da igreja pode ser um excelente lugar. Nos basta entender que não é necessário tratar o assunto com o mesmo rigor de seminários e universidades.

Na igreja, o ensino da apologética pode ser introdutório. Questões como a confiabilidade da Bíblia Sagrada, a origem do mal e a historicidade do cristianismo, em particular da ressurreição de Jesus, são temas essenciais “básicos” que podem ser abordados nas igrejas.

Sem dúvida alguma o cristão que é corretamente instruído sobre esses assuntos terá muito mais preparo para lidar com os questionamentos contra a sua fé, os quais atualmente estão presentes em todos os lugares e numa geração onde tudo é “relativo”.

Para entender melhor o tema, recomendamos o vídeo abaixo, do pastor Dr. Tassos Lycurgo: