“Ela me manipulou, foi uma lavagem cerebral”, diz filho de Flordelis

Wagner, pastor Anderson e Flordelis. Reprodução: Google

Filho adotivo da deputada federal Flordelis, o vereador Wagner Andrade Pimenta concedeu depoimento para falar sobre o caso envolvendo a mãe, onde ela é acusada pelo Ministério Público de tramar o assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo, morto com 30 tiros em 2019 na garagem da própria casa, no Rio de Janeiro.

“Hoje, tenho 42 anos e acredito que ela (Flordelis) me manipulou, foi uma lavagem cerebral. Eu tinha 12 anos de idade quando cheguei na casa. Acreditava que estava fazendo o certo, ajudando com as crianças, pegando doações na rua. Me envolvi”, disse Wagner, segundo a Istoé.

O vereador afirmou que ao longo da sua vida não desconfiou do que poderia acontecer de ruim na casa, envolvendo a sua mãe. Wagner atuava como tesoureiro das igrejas que Flordelis e Anderson administravam.

A deputada acusou o filho de ter apagado mensagens do celular de Anderson, após a morte dele. Ambos entraram em conflito e apresentaram versões diferentes para os investigadores do caso.

“Tudo que o Wagner diz sobre mim no episódio da morte do meu marido é mentira, é um insulto à inteligência. O meu marido e eu criamos esse rapaz e demos tudo o que ele tem hoje”, afirmou a deputada ao Pleno News.

Para Misael, como também é conhecido Wagner, o resultado de tudo o que vem acontecendo com a família, no entanto, foi resultado de “ganância, poder e dinheiro”.

“Eu não percebia que havia essa manipulação. Fui criado tendo uma gratidão por tudo que ela tinha feito por mim. Eu fazia tudo para agradá-la. Me dediquei quase 30 anos da minha vida. Não me arrependo. Fiz com prazer, carinho. Mas é triste ver algo pelo que você se dedicou tanto acabar por ganância, poder e dinheiro”, afirmou o vereador.