Sudão poderá abolir a pena de morte para quem deixar o islamismo

Sudão poderá abolir a pena de morte para quem deixar o islamismo
Reprodução: Google

O governo sudanês iniciou tratativas para abolir a pena de morte para indivíduos que optaram por deixar o Islã.

Segundo Mohamed Hassan Arabi, membro do governo de transição sudanês, seu país deve remover a pena de morte por “apostasia”, revogando o artigo 126 do Código Penal.

O artigo prevê a pena de morte para qualquer pessoa considerada culpada de apostasia, um crime cometido por qualquer muçulmano que defenda a renúncia ao credo do Islã ou renuncie publicamente à sua fé.

O mesmo artigo prevê que a pena de morte seja retirada se o réu “se arrepender” e “retratar apostasia” antes da execução.

A Portas Abertas dos Estados Unidos, uma organização que ajuda cristãos perseguidos em todo o mundo, disse que este artigo será substituído por um “takfir” criminalizador – uma declaração teológica de que uma pessoa é infiel. 

O Islã é atualmente a maior religião do Sudão (97%), e os muçulmanos dominam as instituições governamentais nacionais desde a independência.

As igrejas saudaram esse passo em direção à liberdade religiosa, instando as autoridades a garantir que todas as partes relevantes sigam a ordem sem demora, uma vez legitimadas.

Antes de ser derrubado pelas forças armadas em 2019, o ex-presidente sudanês Omar al-Bashir tinha a intenção de adotar completamente a Sharia [lei islâmica] como a principal fonte para a constituição e o árabe a língua oficial do país.

Tudo isso está mudando graças ao governo de transição.

“A punição por deixar uma religião coloca em risco a liberdade de opinião e crença e prejudica a paz e a estabilidade social”, disse uma autoridade, de acordo com a Open Doors USA. Com: UG Christian News.